Dicas úteis para uma viagem internacional

Viajar é a alegria – ou o desejo de muita gente. Culpa das fotos publicadas no Instagram, das lembranças que uma boa viagem desperta em nós, das novas descobertas, e por aí vai. Porém, antes de ir, é legal (e necessário) se preparar.

Separei cinco dicas úteis para quem está prestes a embarcar para uma viagem internacional – ou deseja colocar o primeiro carimbo no passaporte.

  1. Conheça seu perfil

Tem gente que curte a loucura da Times Square, enquanto outras acham um verdadeiro horror. O lugar que não é legal? Não. É apenas questão de gosto. E, por que não dizer de perfil? Acho que devemos levar não só em conta a realidade do local, mas adaptar o que você gosta ao lugar que irá conhecer. Seu perfil é mais low profile? Ou adrenalina a mil? É mais fashionista? Qual incluir na check list um museu que tenha uma área dedicada à moda, por exemplo? Selecione o que a cidade tem a oferecer de acordo com o que você gosta. Assim, consegue planejar uma viagem do seu jeitinho.

Times Square, NY. Foto Flavia Francellino

2. Vamos falar de dinheiro

Quanto custa 5 dias em Nova York? E 10 dias? E 30 dias? E a vida toda? (brincadeirinha) Independentemente do tempo a se passar, é importante que você se planeje.

Saiba visualizar seu orçamento.

Para isso, acho válido distribuir as possibilidades.

Tenha um Travel Money por perto, que são aqueles cartões recarregáveis. Gosto da praticidade do cartão, e verdadeiro pânico de receber só moedas de troco rs. Por isso, não deixo essa opção. Sou cliente há anos da Confidence Câmbios e super recomendo.

– Cartão de crédito é um mal necessário. E requisitado em reservas de hotel. E úteis em casos emergenciais. E dá uma certa moral se a imigração de te perguntar o que você tem $. Só não se empolgue tanto com ele, porque a conta chega com IOF.

Dinheiro em espécie. Com as oscilações de câmbio, vale ficar de olho nas cotações dia sim e outro também. Abaixou? Troque pequenas quantidades. Vale a pena garantir.

3. Chip de celular

Conheci Nova York de cima a baixo porque estava sem chip de celular nos meus primeiros embarques. Mas também perdi muito tempo.

Para aproveitar o máximo que puder da viagem com mais segurança, até por conta do idioma (se você não tem domínio), vale a pena ter um chip de celular (alô, Google Translate, hahahaha).

Na minha última viagem, fui com o chip de viagens da T-mobile, que comprei pela Easysim4u e me dei muito bem nos meus últimos 20 e poucos dias na Big Apple/Grande Maçã. O legal é que já saí com ele daqui do Brasil – na época, eu comprei no stand que eles tinham no aeroporto, mas você pode desfrutar da mesma comodidade, uma vez que eles entregam o chip na sua casa.

Ainda, você consegue definir o plano que melhor se adequa a sua necessidade e orçamento. Tem opção só de internet, internet ilimitada, internet + celular, com chamadas sem dor de cabeça para o Brasil, etc.

O mais legal é que, assim que pisar no destino de sua viagem, seu celular estará com internet disponível. Nada que ter que, cansada da viagem, ter que procurar um cantinho para garantir um chip.

4. Seguro viagem

Quando fui à Terra dos Cangurus, fui decidida a pular de paraquedas e ter essa experiência para contar e guardar na memória. Forem quase 30 dias fora de casa, e eu estive em segurança em todos eles. Isso porque investi em um seguro de viagem.

Lá fora, qualquer dorzinha de barriga te custa um rim, ou o preço de um carro popular. Não dá! A Seguros Promo está conosco nessa vida de aventuras. Usem meu código de desconto UMATALDEFLAVIA5 e ganhe 5% de desconto.

Clique aqui pra garantir o seu.

Lembrando que alguns lugares da Europa exigem seguro viagem para entrar no país.

5. Sobre malas de viagem

Com essa loucura de mudança na franquia de bagagem, vale a pena se atentar ao que entra na sua mala. Sempre verifique no site da companhia as regras de bagagem, para não ter surpre$as.

Bem, tenho dois costumes. Um deles envolve o hábito de escrever quais peças de roupas preciso levar e, em cima disso, exercito as possíveis combinações. Desta forma, tento evitar coisas desnecessárias na mala, porque eu sou daquelas que, se me darem ousadia, levo minha casa toda 🙂

Outro truque esperto que faço é levar uma mala dentro da outra em viagens para o Hemisfério Norte, aka, Estados Unidos, para poder me esbaldar nas pechinchas 🙂 Uma boa recompensa por maneirar no que levar para o embarque.

—-

E, vocês. Curtiram as dicas?
Que tal compartilha conosco o que vocês acham essencial também?

milhas aéreas que você tem e não sabe

Estava de trelelê com Nubia uma amiga quando surgiu o tópico milhas no meio da conversa. Eu, que sou obcecada por elas e faço questão de angariar uma a uma, me assustei quando ela me disse não ter conhecimentos das milhas que tem. Isso porque ela tem e não sabe! E é provável que você também 🙂 Por isso, resolvi explicar  e citar até experiências que tive para dar uma luz rumo ao seu próximo voo 🙂

Continuar lendo “milhas aéreas que você tem e não sabe”

Nada de Cake Boss ou Magnolia Bakery: apaixone-se pela Zaro’s Bakery, em Nova York

red_rosetwo_cakes

Eu tirei uma tarde de sábado para caminhar pelo grandioso Grand Terminal. E, olha, o bichinho é grande! O famoso terminal tem de tudo um pouco: muitas lojas – incluindo um andar dedicado à Apple –  restaurantes e bons achados. Se quiser saber mais, basta clicar aqui. Detalhei tudo nest post.

Nessas minhas andanças – e, na hora da fome – encontrei uma padaria que eu simplesmente caí de amores. Sério. Eu, a louca obstinada, comecei a programar  minha rota diária para estrategicamente passar por lá quase que todos os dias que minha última viagem longa a Nova York. Mas, por acaso, descobri outras unidades que me quebraram o galho 🙂

A Zaro’s Bakery

Há vida além dos disputadíssimos Carlo’s e Magnolia Bakery, acreditem!

Se você é como eu e não se conforma em encarar filas para pegar um pequeno bolinho – e, além disso, gosta de fugir do óbvio-, essa padaria é uma ótima opção, pode acreditar!

Minha paixão inicial foi por um pãozinho de frutas vermelhas DELICIOSO. Sério, viciante! Custei a que abrir o leque para outras opções – e tudo vale (e muito) a pena. A qualidade é inquestionável e o custo-benefício é garantido.

Quem estiver com viagem programada a Nova York, anote a dica gastronômica. Vai lá e se joga, kkkkkkkkkkkkkk. Você não vai se arrepender.

ZaroBobkaChallah

(Fotos: Reprodução)

Sobre a Zaro’s

Há mais de 75 anos, a empresa oferece mais de 300 produtos, desde as famosas bagels, cheesecake e bolos de aniversário. A variedade de pães também impressiona. A produção se concentra na própria fábrica da empresa, localizada no Bronx (NY). Segundo a Zaro’s, a entrega é feita cuidadosamente para que os produtos se mantenham frescos.

A título de curiosidade, a primeira das então onze lojas surgiu justamente no Grand Central.

 

Alguns endereços

Grand Central Market Place

Newark Penn Station (East entrance)

Penn Station, New York  (7th Avenue entrance)

37th Street (501 Seventh Avenue)

Parkchester, The Bronx (Hugh Grant Circle)

 

Mais informações no site

Curiosidades sobre o Grand Central, em Nova York (#7dicas)

Olá, pípo!

Separei um sábado, na minha última estadia longa na minha queridíssima e muito amada, Nova York (puxo o saco mesmo, hahaha), para perambular. Nesse meu sábado digníssimo, resolvi me aventurar e bater perna por dois lugares que posso julgar como icônicos da Grande Maçã. Comecei pelo Grand Central e dei um pulo ao Eataly, local maravilhoso que falarei mais em outro post.

Sobre o Grand Central, há muitas ‘interessâncias’ por ali, viu! Por isso, decidi listar e comentar pra ocês 🙂 Podem acrescentar o lugar na lista de passeios ‘free’ que o negócio é garantido, haha 🙂

Para não perder o costume, listei 7 curiosidades do local.

Vamos começar?

grand_central_terminal_clock (1)

Foto: Reprodução Grand Central Terminal clock by cgc76 (https://www.flickr.com/photos/cgc76/)

  1. É a maior estação de trem do mundo

Segundo consta nos altos, o danado conta com 44 plataformas e 67 trilhos de ferro em dois níveis diferentes, o que faz dele a maior estação de trem em número de plataforma. Estima-se que, diariamente, cerca de 750.000 pessoas circulam pelo o terminal, mas o número pode atingir a 1.000.000 durante o período de férias. Mas, apesar do título, nenhum trem corre por ali.

  1. Achados e perdidos

O lugar abriga um dos maiores achados e perdidos do mundo. Para se ter uma ideia, cerca de 50.000 itens circulam por lá, todo ano.

  1. Decoração

Do lado de fora, encontra a escultura ‘Transportation’ e, com ela, o maior relógio de vidro da Tiffany do mundo. Mas o quer for ver no lado de dentro não deixará por menos. Além de se deparar com um relógio avaliado na bagatela de 10 milhões de dólares, entre olhando para teto e admire a pintura do céu estrelado. As luminárias completam a decoração impecável.

  1. Whispering Gallery

Graças a arquitetura da cúpula, a ‘galeria do sussuro’ permite que alguém sussurre em um dos lados do arco e seja ouvida por outra pessoa do outro lado, há mais ou menos 15 metros de distância. O som é propagado pelo teto.

  1. Wifi grátis, Apple Store e outras lojinhas

Sim, eu disse wifi grátis, pípo! kkkkkkkkkkkkkk. Isso porque, pra variar, a Apple ostenta uma loja (aberta) em parte do mezanino local. Se quiser comprar um tablet ou trocar seu Iphone, saiba que essa loja é bem menos disputada do que a da 5ª avenida.

Quanto às ‘outras lojinhas’, pode fazer compras na Banana Republic ou na MAC, se preferir. Opções por ali é que não faltam.

  1. Comidinhas

Na parte inferior do terminal, tem um paraíso com as opções de comida que preferir. Você encontra desde frutas e peixes frescos ao que sua imaginação lhe permitir. Particularmente, quando estou por lá, não saio de perto da Zaro’s Bakery, padaria que virou minha queridinha em Nova York (sim, já tem post fresquinho sobre a dita cuja). Mas, se quiser bater cartão na tradicional Magnolia Bakery, tem uma unidade por ali também.

Já os maníacos por café poderão sobreviver e se alegrar no Starbucks. E quem quer provar um genuíno chocolate belga, pode dar uma passadinha na Neuhaus Belgian Chocolat.

Shake Shack? Se bater vontade de comer aquele hambúrguer delicioso com batata frita onduladinha tem por ali também (sim, farei um post só dele).

  1. Tour

Se quiser saber mais, pode optar por um tour no Grand Central Terminal. Com duração aproximada de 1h15, começa todos os dias a partir das 09h. O valor do ingresso é de US$9 por adulto.

 

Como chegar

Pelas linhas 4, 5, 6, 7 e S. Desça na estação Grand Central Terminal.

A entrada principal fica na 89 E 42nd St.

 

Informações

Aberto diariamente das 5h30 às 02h.

Fechado durante o Natal, Ano Novo, domingo de Páscoa, Memorial Day, Independência (4 de Julho), Dia do trabalho e Thanksgiving (Dia de Ação de Graças).

Para mais informações, acesse ao site

 

P.s.: Farei outro post com dicas específicas do Grand Terminal em breve 🙂

Como escolher um bom assento no avião (#7dicas)

Pípo, hello! Vamos a mais um #7dicas?

Estava eu sabiamente tentando decifrar – e encontrar – uma bom lugar para a minha pessoa se acomodar e curtir o voo em minha próxima trip (menos de quatro semanas, conto mesmo 🙂 quando decidi escrever esse singelo post 🙂

Eu, que já experimentei de tudo um pouco: já viajei no fundo, na frente, na poltrona do meio (quase dormi na pessoa que estava do meu lado, haha), próximo ao corredor, na janelinha, no lado direito (meu favorito), no esquerdo, na econômica, na executiva (saudades) resolvi relembrar as experiências anteriores e (por que não) deixar aqui algumas diquinhas pra vocês 🙂

Arrisco dizer que o mundo dos viajantes possa ser dividido em dois grupos: os que gostam de sentar no janelinha e os que gostam de sentar no corredor (no meio ninguém gosta, né? alguém?), buuut, ainda assim, escolher entre as duas opções pode não ser bom o suficiente. Deixa eu explicar. Se você é uma pessoa que precisa de mais espaço, que sofre com inchaço, enjoo, com o ar condicionado, etc, sabia que tem um lugarzinho mais recomendado pra você? Pois é.

Antes de dar start no assunto, li essa matéria do UOL e achei bem interessante. Cliquem aqui para ver completa. Segue um trechinho:

‘Nossa pesquisa mostrou que a parte dianteira do lado esquerdo do avião é a mais procurada, possivelmente por proporcionar uma melhor escolha das refeições e por estar menos suscetível ao ruído do motor, além de permitir um desembarque mais rápido”, explica Mateus Rocha, Diretor Geral da Skyscanner no Brasil. “Curiosamente, alguns passageiros preferem a poltrona do meio próxima das asas, onde tendem a sentir menos a turbulência. A janela é mais escolhida por aqueles que querem dormir, principalmente em viagens longas, enquanto os que vão mais vezes ao toilet dão preferência ao corredor para evitar incomodar os outros passageiros”. Os internautas também votaram nos lugares mais odiados do avião: a poltrona 31E, localizada na parte traseira da aeronave, foi a mais rejeitada. E apenas 1% dos respondentes disseram gostar de se sentar nos assentos do meio durante uma viagem aérea.’

Acho que uma das partes mais gostosas de comprar uma passagem aérea (visualizem o emoji de corações no olhos. essa sou eu agora, haha) é escolher onde vai sentar. Por questão de praticidade e conforto (a não ser que vá embarcar na primeira classe ou na executiva, que é outro nipe 🙂 )

Não sei vocês, mas voar para mim é relaxar. Gosto de aproveitar o serviço de bordo, comer, comer e comer e comer de novo, ouvir uma boa música, abusar da paciência da aeromoça, colecionar fones de ouvidos (sempre peço), me enrolar no cobertozin que eles distribuem e que não esquentam quase nada, assistir um filmezin…haha, sou dessas. Paguei, vou usar 🙂

Bem, pontuei as dicas de acordo com necessidade/exigência/urgência de cada um.

Como nosso objetivo do #7dicas é ser mais objetivo, caso queiram algo mais detalhado, me deixem saber pelos comentários, right?

Espero que ajude de alguma forma!

Te vejo aqui ou no próximo voo 🙂

  • Se quer conforto e vai voar na classe econômica: as primeiras fileiras costumam ter poltronas mais espaçosas e confortáveis. Obviamente são opções bem concorridas e leva quem chegar primeiro. Mas tem um porém: algumas companhias (como American Airlines) cobram a mais por isso 😦 ;
  • Se sofre com inchaço. As primeiras poltronas, assim como a região das saídas de emergência, costumam ser mais espaçosas – o que vai ser bom pra você. Vale também ficar na poltrona do corredor – o que facilita levantar e dar aquela andadinha para ativar a circulação;
  • De turbulência ninguém gosta, né? Se sentar poltronas na região das asas, sentirá menos o balanço do avião. Quem sente muito enjoo pode optar em sentar por aqui também. Ah, vale avisar: nos dois casos, evitem a região do fundo porque é onde mais se sente;
  • Se não quer se sentir um pinguim decolando para o Polo Norte, o jeito é optar por sentar mais no fundão. Por lá, a sensação de frio é bem menor, já que a circulação de ar migra da frente para o fundo do avião. Outra dica é evitar as proximidades das saídas de emergência;
  • Barulho é algo que principalmente quem não consegue cair no sono fácil (que não é o meu caso). O jeito é evitar o fundo, já que lá tem movimentação maior (tem banheiro e tem cozinha). As primeiras fileiras, embora ofereçam mais conforto, também podem ser um problema, já que a maioria das mães com crianças de colo costumam ficar por ali (aqui vai um dica extra, pípo: crianças não podem sentar na área das saídas de emergência. se tiver um voo marcado para, sei lá, Flórida – sério, nunca vi tanta criança em um voo – sente por aqui, kkkkkkkkkkkkkkkkk);
  • As fileiras do fundo e em frente a saída de emergência reclinam menos (ou não reclinam, dependendo da companhia). Se isso te incomoda profundamente, então, já sabe;
  • De qualquer forma, fica a dica. Se joga no mapa da mina, o site Seat Guru, do Tripadvisor. O site mostra o mapa do avião usado pelas companhias aéreas. O mapa indica por cores os melhores e piores lugares, com as devidas pontuações. Ele detalha, por exemplo, quando o lugar tem mais espaço para as pernas, se é um lugar de muito movimento, etc. Temos o Skytrax também. Vale consultar também esse guia multimídia mara, disponibilizado pela Abril.

Aqui vai mais um plus, vale? (vale sim, porque o blog é meu, kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk).

Você pode tentar bancar o espertinho quando for marcar o seu assento 🙂  Por exemplo, você quer sentar no corredor. Então, procure marcar assento na fileira de quem já reservou a janelinha, por exemplo. A maioria dos seres humanos detestam viajar no meio – só vão realmente sentar ali se não tiver outra opção. Se aquele assento não for vendido, terá a poltrona do seu lado free 🙂